A Cervejaria Pratinha, com sede em Ribeirão Preto (SP), foi a única do país a ser case na 34ª Craft Brewers Conference (CBC 2017) & BrewExpo America, realizada em Washington, nos Estados Unidos, entre 10 e 13 de a abril. Seu projeto de realidade aumentada, que permite, por meio de um aplicativo de celular, “dar vida” aos porta-copos da Pratinha, chamou atenção de milhares de visitantes durante o evento, um dos maiores do mundo do setor cervejeiro, que reuniu 12 mil participantes e 800 expositores.

            A tecnologia foi desenvolvida pela multinacional Daruma Tech a partir de uma demanda da Omni Labs, responsável pela criação de todo o layout e conteúdo do aplicativo da Cervejaria Pratinha, que pode ser baixado tanto na Apple Store quanto no Play Store (Android). Ao abrir o tópico “Realidade Aumentada”, basta colocar o porta-copo na tela, como se fosse tirar uma foto, para ver os desenhos em movimento.

Durante o evento, o diretor da Cervejaria Pratinha, José Virgílio Braghetto, encontrou-se com o presidente da Brewers Association, Charlie Papazianm, um dos maiores conhecedores do mundo em cervejas caseiras e artesanais.

Pioneirismo e tecnologia

Essas duas palavras estão no DNA da Cervejaria Pratinha, que tem, entre suas missões, testar protótipos e desenvolver técnicas e tecnologia em um processo um contínuo de inovação. Como resultado deste trabalho, a empresa é uma das poucas no país a ter uma centrífuga que substitui o filtro utilizado normalmente para deixar a cerveja cristalina. “O processo da centrífuga irá retirar as partículas em suspensão: malte, lúpulo e até fermento. Assim, a pasteurização poderá ser mais branda, já que não haverá tantas leveduras ainda na cerveja. Algumas cervejarias já usam centrífugas, mas seremos uma das primeiras a utilizá-la antes de mandar a cerveja para o tanque, onde haverá a fermentação e a maturação, e também depois da passagem pelo tanque, o que deixará a cerveja ainda mais cristalina”, explica Braghetto. Este equipamento é alemão, de uma empresa subsidiária da Mercedes Benz.

Sobre a Pratinha

Sediada em Ribeirão Preto (SP), a Cervejaria Pratinha conta com 11 receitas principais divididas em três grupos: lagers, com Vienna, Octoberfest e Rauchbier; as apelidadas de série do lobo, Wild IPA, Scotch Ale e uma Porter envelhecida (subtipo da Scotch Ale); e o terceiro grupo, mais diverso, com Trippel, WitBier, Weizenbock, Flanders e Saison. Destas, algumas estarão sempre presentes em linha e outras serão sazonais, principalmente devido ao tempo de maturação.

Idealizada pelo empresário José Virgílio Braghetto, nasceu da curiosidade e do interesse dele pelo assunto ainda na década de 90 quando passou uma temporada fora do Brasil, mais especificamente da Dinamarca, quando foi apresentado ao mundo das cervejas especiais. De volta ao Brasil, o empresário criou um portal para o mercado cervejeiro chamado República da Cerveja, o primeiro do gênero na América Latina. No site oferecia ferramentas on-line para auxiliar cervejeiros, tais como softwares que ajudavam a calcular o amargor da cerveja, a quantidade de álcool e o extrato. Para desenvolvê-lo, porém, precisou aprender alguns conceitos e as fórmulas propriamente ditas.

Com um vasto “background” profissional em tecnologia e inovação, Braghetto desenvolveu diversos aplicativos que o ajudam a fazer a cerveja. Alguns equipamentos hoje utilizados na Pratinha foram inspirados em processos vistos no exterior, especialmente na República Checa, como os tanques de fermentação abertos. No Brasil, com a ajuda de alguns parceiros, o empresário viabilizou a construção da cervejaria baseada em especificações próprias que desejava e com os avanços tecnológicos que queria empregar.

Comentários via Facebook

Comentários via Facebook

Responder

Conectar com: